sábado, 15 de maio de 2010

O tédio

O tédio insiste em me perseguir.
Mas, digo pra ele em alto e bom som:
- Sai tédio, vai procurar o que fazer!
- Deixe de me perseguir!
- Vai perturbar um cachorro, um gato
ou outro ser que não tem sonhos.
- Me deixa!
- Me esquece!
- Vai pra bem longe de mim!
- Suma!
- Você é muito mal educado, aparece sem
ser chamado...
- Não te quero nem um segundo!
- Ah, por um momento pensei que você havia
desaparecido, mas me enganei, você voltou com
toda a força! Se você aparecesse de carne e osso
pra mim, seria capaz de te dar veneno! Aí você
sumiria... Mas como não te vejo em carne e osso,
também tenho o direito de insistir:

- Suma
- Sum
- Su
- S
-

Numa noite de sábado marcada pela visita inesperada desse cara mal educado.

4 comentários:

  1. Fui visitado este final de semana pelo tal cara vulgarmente conhecido como Tédio. Vulgarmente não, me recomponho: ele só tem esse nome. Embora o expulsasse veementemente de minha porta, o tal cara insistia na visita. Percebido que não conseguiria despacha-lo, mesmo aos berros, convidei-o a sentar-se no sofá e conversar sobre besteiras da vida. E não é que descobrir em meio a palavras lançadas ao vento, que o tal cara Tédio parecia-se comigo. É Gal, por mais que tentemos fingir e fugir, o Tédio é o nosso lado inativo, pobre de criação e ocupação proveitosa. O Tédio somos nós, só que plantando bananeira: ridículos!!!!!

    ResponderExcluir
  2. poxa!amei...
    nunca vi algo tao direto, e
    como se parecesse algo de louco...
    mas muito bom!

    ResponderExcluir