sábado, 30 de maio de 2009

Análise "O infante"

Vejam minha análise, sujeita a alterações e acréscimos...rsrsrsrs

O infante

Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,
Que o mar unisse, já não separasse.
Sagrou-te, e foste desvendando a espuma.

E a orla branca foi de ilha em continente,
Clareou, correndo, até ao fim do mundo,
E viu-se a terra inteira, de repete,
Surgir, redonda, do azul profundo.

Quem te sagrou criou-te português.
Do mar e nós em ti nos deu sinal.
Cumpriu-se o Mar e o Império se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal!


O poema O infante, de Fernando Pessoa, é composto de três quartetos. As rimas são alternadas ou cruzadas e obedecem o seguinte esquema: ABAB/CDCD/EFEF.
Os versos do poema são livres, sendo que, são decassílabos heróicos os primeiros e segundos versos da 1ª e 3ª estrofe e o quarto verso da 3ª estrofe. Além de decassílabo heróico o primeiro verso da 3ª estrofe é masculino, pois a última sílaba é acentuada. O terceiro verso da 1ª estrofe também é decassílabo heróico (verso de 10 sílabas com variantes em 6 – 10). Os outros versos vão variar em hendecassílabo (verso de 11 sílabas), eneassílabo (verso de 9 sílabas), alexandrino arcaico (verso de 12, 13 ou até 14 sílabas) e verso de gaita galega (verso de 10 sílabas com variantes em 4 – 7 – 10), conclui-se que o poema não segue um padrão único.
Há no poema metáfora: “E a orla branca...”; antítese: “Que o mar unisse, já não separasse.” Anáfora: “Deus quer...”, “Deus quis...”, “Sagrou-te...” “Quem te sagrou...”.
O poeta menciona no início do poema que a obra é resultado do desejo divino e do sonho humano. Ele atribui à Deus a unificação da terra e diz que Deus consagrou o homem destinando-o às conquistas. O poeta menciona a grandeza das descobertas de Portugal, nota-se no isto no segundo verso da 2ª estrofe.
Pessoa assinala que o povo Português foi eleito para realizar estas conquistas, porém, não deixa de mencionar o declínio do Império, nem deixa de apelar à Deus, no último verso, uma nova ação para que se cumpra a promessa feita à Portugal.

Caso você, tenha percebido algum equívoco na minha análise e/ou queira acrescentar algo, por favor, faça seu comentário.

14 comentários:

  1. Análise perfeita, Gal!
    Sempre digo aos meus alunos que
    internet é uma "enciclopédia virtual"
    e, como toda obra, pode ter equívocos.

    O legal é que você pode editar, revisar,
    reescrever, fazer uma auto-correção.

    Quem sabe um dia o "blogueiro" conheça
    os decassílabos de Camões e Pessoa e
    constate (como você) a verdadeira métrica
    do Infante! Quem sabe le se torne um leitor
    mais atento e mais competente.

    Mantenha o senso crítico e faça uma
    coluna no seu blog denunciando outros erros
    na internet. São tantos e tão engraçados!
    Paz e luz, querida. Saúde e mais sucesso
    ainda. Beijos.
    Zilda Freitas, sua dmiradora e fã.

    ResponderExcluir
  2. muito bom, parabens :)

    ResponderExcluir
  3. "Deus quer, o Homem sonha e a obra nasce"
    Deus quis que a terra fosse unida pelo Mar e confio essa missão ao D.Infante. A glória do D.Infante é transferida depois para o povo português. No poema são visíveis palavras que remete para Unidade e Perfeição Cósmica (inteira,redonda, clareou,desvendo). No fim do poema, o poeta assinala o desmoronar-se do Império dos Mares, prevendo uma nova acção para a renovação e engrandecimento da Nação.

    ResponderExcluir
  4. Gostaria que vc se identificasse...

    ResponderExcluir
  5. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  6. muito bom, poderiam explicar também matéria para os exames de nono ano?

    ResponderExcluir
  7. Depende do assunto que você quer Beatriz.

    ResponderExcluir
  8. E a análise da 3ªestrofe???? O que quiz dizer pessoa em cada estrofe???

    ResponderExcluir
  9. Leia com atenção a postagem.

    ResponderExcluir
  10. ................................

    ResponderExcluir